Que habilidades eu desenvolvo com a prática de mindfulness?

Que habilidades eu desenvolvo com a prática de mindfulness?



Existem diferentes habilidades que aprendemos a cultivar com a prática de mindfulness. Com base em diferentes autores, podemos resumir algumas das principais:

1.- Atenção e concentração Em mindfulness, a atenção e a concentração são uns dos aspectos fundamentais. São descritas como a capacidade de manter a atenção sobre um tópico específico de forma sustentada e focada, não dispersa e fragmentada. Seria o oposto da “mente errante”. Em mindfulness, mais do que atenção, treinamos a percepção da desatenção, ou seja, a capacidade de percebermos que estamos com a mente desatenta e “viajando por aí”, podendo trazê-la de volta à atividade daquele momento. Essa é uma habilidade básica de mindfulness, fortemente ligada ao bem-estar psicológico e ao aumento do desempenho em qualquer atividade.

2.- Foco no momento presente É focar a atenção momento após momento no que está acontecendo agora. O presente é a única coisa que existe, já que o passado e o futuro são construções mentais, ou seja, são o que “pensamos” sobre o passado ou sobre o futuro. Logicamente, isso não implica que não se possa planejar, pensar no futuro ou lembrar alguns aspectos do passado. Mas nesse caso, gera-se voluntariamente esses pensamentos, isto é, eles não ocorrem como consequência da mente errante.

3.- Consciência corporal Na atenção plena e em muitas tradições meditativas, o corpo é a âncora (ponto de apoio) da atenção por excelência. O corpo está sempre no presente, portanto, prestar atenção nele inibe a perambulação mental, as ruminações. A maneira mais simples de prestar atenção ao presente quando nossa mente está vagando é atrair a atenção para o corpo. Portanto, todas as práticas de mindfulness têm como âncora a atenção no corpo de uma forma ou de outra: respiração, varredura das sensações do corpo (body scan), atenção aos movimentos do corpo e atenção plena na caminhada. Até a atenção aos sons ou a prática da uva passa, concentram a nos diferentes sentidos, que possuem uma base corporal. O corpo também serve de apoio para percebermos nossas emoções, já que todas elas têm uma expressão corporal.

4.- Atenção aos conteúdos mentais (meta-cognição) Mindfulness também pode ser descrito como a capacidade de metacognição, ou observação dos próprios conteúdos mentais. É o que nas tradições meditativas é descrito como “posição do observador”. E o que esse “observador observa”? O fluxo e a qualidade dos pensamentos, as reações aos pensamentos (“agradável” ou “desagradável”), e o desejo ou impulso de agir gerado em nossa mente.

Tornando-nos conscientes dos nossos conteúdos mentais, podemos entender melhor os nossos padrões que se repetem continuamente, em especial aqueles que nos causam sofrimento, abrindo a possibilidade de mudanças, quando necessárias. Consiste em se relacionar com pensamentos, e com as emoções e sensações, como meros fenômenos físicos e mentais, provisórios e subjetivos, que não constituem necessariamente a nossa realidade. A chave é a “desidentificação” (descentramento) com os conteúdos mentais, por exemplo, classificando-os (nomeando-os), e deixando-os “passar”. Desta forma, passamos a estar menos presos pelos nossos conteúdos mentais.

5.- Aceitação É considerada uma das principais habilidades que desenvolvemos a partir da prática de mindfulness, e uma das mais complexas de entender, pois frequentemente é confundida com passividade ou resignação. Seria, de maneira simples, olhar para a realidade como ela é naquele exato momento, usando todas as habilidades que citei anteriormente (atenção, foco no presente, consciência corporal e meta-cognição). Em geral, não olhamos para a realidade como ela realmente é, mas “filtramos” a realidade (interna e externa) com as nossas “lentes” cognitivas, a partir de nossas experiências passadas, ou seja, no “piloto automático”. Ao olharmos a realidade como ela realmente é (e não para a que “imaginamos” que é, ou “gostaríamos” que fosse), temos uma visão mais clara de nós mesmos e das situações, e então podemos tomar decisões mais sábias, e menos reativas.

Vamos praticar?

Referência: Garcia-Campayo & Demarzo. ¿Que sabemos de Mindfulness? Kairós Editorial, 2018.

Para saber mais:

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação “Mindfulness” na Medicina, Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

Todos os direitos reservados © 2019 - 2020

Site desenvolvido por