Praticar atenção plena ajuda na concentração e na ansiedadepré-vestibular

Praticar atenção plena ajuda na concentração e na ansiedade pré-vestibular



As práticas de Mindfulness (atenção plena) podem ajudar os vestibulandos a lidarem melhor com os fatores de estresse relacionados ao vestibular, melhorando também a capacidade de concentração e aprendizagem, e diminuindo sintomas de ansiedade

O pré-vestibular é um período de grandes desafios, e os vestibulandos ficam expostos a muitos fatores de estresse como a sobrecarga de estudos, multitarefas, alterações no sono, nos hábitos alimentares e de atividade física, muitas vezes acumulando estudos e trabalho, e, por fim, os dilemas, preocupações e incertezas sobre o futuro.

Problemas de saúde mental são relativamente comuns entre estudantes prévestibulares, incluindo casos de depressão e ansiedade, além da percepção aumentada e duradoura de estresse.

Além do impacto psicológico e social desses problemas de saúde mental, o desempenho acaba ficando abaixo, com diminuição da capacidade de concentração e memória (estar atento é fundamental a capacidade de memória a e aprendizagem).

Nesse contexto, programas de mindfulness dentro de colégios e cursinhos são cada vez mais comuns, fazendo parte do currículo complementar dessas instituições.

Os programas podem ser os mesmos usados para adultos em geral, como o Programa de Redução de Estresse baseado em Mindfulness (MBSR, em inglês – conheça aqui), o Programa de Promoção da Saúde baseado em Mindfulness (MBHP – conheça mais), e a Terapia Cognitiva baseada em Mindfulness (MBCT – conheça aqui).

Os resultados são muito interessantes e promissores, e as pesquisas mais recentes nos mostram, por exemplo, aumento da concentração, capacidade de memória, raciocínio e aprendizagem; melhora no bem-estar subjetivo e diminuição do sofrimento psicológico; diminuição de sintomas de ansiedade, depressão e dos níveis de cortisol (hormônio do estresse); e melhora da qualidade do sono.

Além disso, são desenvolvidas habilidades “leves” (“soft skills”) como o aumento da auto-observação e autopercepção, com melhora da aceitação de características pessoais (qualidades e pontos a aprimorar), e reconhecimento de “pontos-cegos” da
personalidade (padrões mentais e emocionais).

Como praticar?

Para aqueles que se interessaram em incorporar mindfulness no seu dia-a-dia, há duas opções: começar a praticar por conta própria, usando apps ou material disponível na internet (blogs, áudios e vídeos), ou procurar centros de mindfulness para ter o
acompanhamento de um instrutor. É sempre importante checar a qualidade do material e a formação do instrutor (existe certificação profissional para ensinar mindfulness – saiba mais).

Uma maneira simples de começar a experimentar uma técnica de “mindfulness” é o exercício que chamamos de “prática dos 3 passos” ou “3 minutos”, que utiliza como âncora de atenção a própria experiência corporal, incluindo a respiração. É segura por
ser simples e de curto duração (aproximadamente 3 minutos).

Vamos praticar?

Mande sua pergunta: Se você tem alguma dúvida ou curiosidade sobre mindfulness, atenção plena, ou neurociência do comportamento, por favor me escreva que terei prazer em abordar seu tema em textos futuros: demarzo@unifesp.br

Referências:

Demarzo & Garcia-Campayo. Manual Prático de Mindfulness: curiosidade e aceitação. Editora Palas Athena, 2015.

Para Saber Mais:

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação “Mindfulness” na Medicina, Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

 

 

Fonte –  UOL

Todos os direitos reservados © 2019 - 2020

Site desenvolvido por