A prática de mindfulness pode ajudar na prevenção do suicídio?

A prática de mindfulness pode ajudar na prevenção do suicídio?



Suicídio é uma tragédia que pode afetar a vida de muitos, incluindo familiares, amigos e colegas daqueles que tiram suas vidas. Recentemente, o tema ganhou evidência na mídia, devido aos tristes casos em escolas brasileiras, assim como de artistas e profissionais conhecidos no exterior.

Os estudos mostram que os casos aparentemente têm aumentado ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, houve um acréscimo de, aproximadamente, 25% nos últimos 15 anos. Por esse motivo, é muito importante que falemos sobre o tema, em especial, sobre sua prevenção.

Sabemos que o suicídio é um assunto complexo e multifatorial, e nem sempre está associado à depressão. Por outro lado, pessoas com histórico de depressão, em especial aquelas que têm sintomas da doença, têm risco aumentado de terem pensamentos suicidas e de, efetivamente, tirarem suas vidas. Associado aos sintomas depressivos, em geral, somam-se sentimentos de vergonha, inadequação, raiva, solidão e, principalmente, desesperança.

Como mindfulness pode ajudar a prevenir o suicídio?

A principal maneira que mindfulness pode ajudar na prevenção do suicídio é atuando na diminuição dos sintomas de depressão. Vários estudos científicos bem elaborados e consistentes inclusive têm mostrado os efeitos positivos da prática de mindfulness na prevenção e tratamento do transtorno.

Os efeitos são especialmente benéficos em pessoas mais vulneráveis, principalmente em indivíduos que já foram deprimidos no passado e que têm padrões de pensamentos que chamamos de “mal adaptativos” ou disfuncionais, ou seja, pessoas excessivamente reativas a eventos negativos de vida, mesmo que esses sejam de menor importância.

Por exemplo, para essas pessoas mais vulneráveis, coisas banais como alguém que não nos cumprimenta adequadamente podem gerar pensamentos negativos do tipo “o que eu fiz de errado”, que podem ficar rodando horas ou dias em suas mentes (chamamos de “ruminação mental”), e que podem eventualmente desencadear um quadro de depressão.

O treinamento em mindfulness, mesmo que por técnicas simples como a prática de 3 minutos, pode nos ajuda a lidar com esses pensamentos disfuncionais, permitindo que os observemos apenas como pensamentos e não como fatos reais. Chamamos isso de “descentramento” ou habilidade meta-cognitiva, ou, de maneira mais simples, a possibilidade de termos consciência de nós mesmos e de nossos padrões mentais. Assim podemos prevenir a cadeia de eventos que geram episódios de depressão e diminuir o risco de suicídio, em especial nas pessoas vulneráveis.

Referência:

Garcia-Campayo & Demarzo. ¿Que sabemos de Mindfulness? Kairós Editorial, 2018

Para saber mais: www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação “Mindfulness” na Medicina, Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês

Todos os direitos reservados © 2019 - 2020

Site desenvolvido por