Meditação para ansiosos: veja os benefícios e como fazer

O que é estar no momento presente, tão comum em mindfulness e meditação?



Com frequência ouvimos que mindfulness e meditação nos ajudam a focar no “momento presente”, mas o que isso significa realmente? A resposta a essa pergunta pode ser complexa, muitos cientistas e filósofos já se debruçaram sobre ela. Mas vou tratar do assunto de maneira mais prática, dando dicas voltadas para aplicação no dia a dia.

Um primeiro aspecto importante é compreender o que não é estar no momento presente. As pesquisas mostram que aproximadamente 50% do tempo não estamos no momento presente, ou seja, não estamos presentes na experiência que estamos
vivendo naquele momento. Com frequência, estamos em nosso “mundo mental”, distraídos com pensamentos sobre o futuro ou repassando na mente experiências passadas improdutivamente, sem levar a lugar nenhum (logicamente existem também
os pensamentos produtivos, em momentos que escolhemos pensar em alguma coisa – tomar uma decisão no trabalho, por exemplo).

É comum nos desviarmos do que estamos fazendo, indo de um pensamento para outro, e essa cadeia de associação (história mental) pode nos manter navegando em nossas cabeças por horas. Isso não seria estar no momento presente. Em geral, essas histórias mentais estão associadas a pensamentos autocríticos, de que não somos suficientemente bons, espertos ou atraentes. Podemos notar uma conversa interna do tipo “o que há de errado comigo?” ou “esse comentário foi idiota” ou “quando vou
encontrar um bom relacionamento?”

Mas como ficar focado no momento presente?

Uma primeira dica, mais associada aos momentos que classificamos como “de prazer” ou “agradáveis”, é simplesmente desfrutá-los ou saboreá-los usando os cinco sentidos, sem a necessidade de elaborar nada mentalmente (contar histórias mentais). Do ponto
de vista neurocognitivo, esses momentos de mindfulness são denominados de “modo ser” da mente e do corpo, em oposição ao “modo fazer”, que seria aquele quando a mente está preso às “histórias do mundo dos pensamentos” que comentei antes (planejar, ruminar, remoer, criticar, etc.).

As práticas e os treinos de mindfulness nos ajudam a treinar essa habilidade de apenas “ser” ou “estar” na experiência, como também a capacidade de perceber quando a mente foi para o “modo fazer” (mundo das ideias), e podemos então trazê-la de volta à
experiência direta daquele momento.

Uma segunda dica para estarmos no momento presente é ter mais consciência de como nossa mente funciona e reage às experiências que vivenciamos. Isso é possível ser feito quando observamos, por exemplo, a tendência da nossa mente de classificar as coisas como “agradáveis” ou “desagradáveis”. Observar, no momento presente, essa tendência nos dá duas vantagens potenciais:

  • Perceber que não estamos mais vivenciando com todos os sentidos o que está acontecendo naquele momento (ou seja, a mente voltou para o mundo dos pensamentos e ideias –”modo fazer”), e então podemos decidir voltar à experiência daquele exato momento;
  • Começarmos a nos familiarizar com a nossa própria mente (na verdade, mais do que com a mente, pois inclui também nossa percepção corporal e dos sentimentos, emoções, desejos e impulsos que vão emergindo em cada momento), o que podemos chamar de “autopercepção” ou “autoconhecimento”.

Essa segunda vantagem seria a capacidade de conhecermos melhor os nossos padrões de reatividade, o que pode nos dar pistas importantes sobre nossos comportamentos, em especial aqueles prejudiciais. Isso eventualmente pode ser desconfortável, pois nos
põem em contato com aspectos que muitas vezes não queremos encarar, mas se entende que há um espaço de aprendizagem nesse desconforto, que nos permite a mudanças, quando necessárias.

Vamos praticar o momento presente?

Referência:

Demarzo & Garcia-Campayo. Manual Prático de Mindfulness. Palas Athena, 2015.

Para saber mais:

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação “Mindfulness” na Medicina, Universidadede Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

Todos os direitos reservados © 2019 - 2020

Site desenvolvido por